Diplomática atração do mundo1

Teresinha V. Zimbrão da Silva

Professora de Literatura Brasileira e do Mestrado em Teoria da Literatura
UFJF (MG- Brasil)
ariel@ichl.ufjf.br


 

   
Localice en este documento

 

Resumo: A partir do romance Esaú e Jacó, este trabalho pretende refletir sobre a questão do cosmopolitismo machadiano, discutindo as afirmações de Silviano Santiago sobre Machado de Assis no ensaio Atração do Mundo.
Palavras-chave: Literatura Brasileira; Machado de Assis; Crítica e Interpretação.

Abstract: Considering the novel Esaú e Jacó, this work intends to discuss the cosmopolitanism of Machado de Assis, debating Silviano Santiago ideas, about the brazilian writer, shown in the essay Atração do Mundo.
Key words: Brazilian Literature, Machado de Assis, Criticism and Interpretation.

 

1. Atração do Mundo:

o espírito humano, que é um só e terrivelmente centralista, está do outro lado do Atlântico
Joaquim Nabuco

Em Atração do Mundo, artigo publicado em 1996, Silviano Santiago, refletindo sobre o cosmopolitismo dos intelectuais no Brasil da Belle Époque, aproxima as posturas de Joaquim Nabuco e Machado de Assis. Do primeiro, Silviano analisa as memórias, Minha Formação, publicadas em 1900, de onde inclusive inspira-se para intitular o seu próprio artigo. Nabuco, ao afirmar então uma irresistível atração pelo mundo do outro lado do Atlântico, estaria compartilhando do sentimento eurocêntrico que dominava a grande maioria dos intelectuais do período.

Este sentimento estaria sendo ainda compartilhado por Machado de Assis. Deste último, Silviano analisa a crítica literária exercitada no decênio de 1870. Ao longo desta, Machado afirmava que a consciência de nacionalidade do escritor brasileiro estava no processo de interiorização do que lhe fosse exterior, pois o influxo externo é que era então determinante.

Daí conclui Silviano que ambos os intelectuais estariam, com suas posturas cosmopolitas - de supervalorizar o influxo externo em detrimento do interno - contribuindo para afirmar um eurocentrismo cultural.

Concordamos com Silviano no que diz respeito a Nabuco, mas gostaríamos de questionar até que ponto a afirmação é válida para o caso de Machado. Para tanto, ao contrário de Silviano, nos deteremos não na crítica literária do autor, exercitada no início da sua carreira, e sim no romance da maturidade, Esaú e Jacó, publicado em 1904, ou seja, quatro anos depois das memórias de Nabuco.

No auge da Belle Époque, um período de intenso cosmopolitismo no Brasil, estaremos considerando a “mania da Grécia” (a expressão é de Brito Broca) como um bom exemplo do predomínio de um influxo externo, sobre o interno, na vida cultural do país. Acompanharemos Machado adotando uma postura tão crítica em relação a esta “mania”, quanto a que já adotara antes em relação aos exageros da cor local romântica. É a partir daí que refletiremos sobre o cosmopolitismo machadiano.

 

2. A “Mania” da Grécia:

o preconceito da inferioridade étnica... levava os... escritores a se refugiarem na Grécia...
Brito Broca

 

Quando Machado de Assis publicou em 1904 o seu Esaú e Jacó, a Grécia há algum tempo já habitava de novo a literatura brasileira. De fato, desde as primeiras manifestações do Parnasianismo no final do século XIX, o prestígio dos Deuses do Olimpo, que tinha se eclipsado durante o Romantismo, reacendeu triunfante e assim veio a permanecer até a guerra de 1914, pelo menos.

Nenhum escritor podia considerar-se verdadeiramente culto se não citasse os helenos. Deles usou e abusou o entusiástico Coelho Neto. E também Olavo Bilac, João do Rio e Monteiro Lobato, dentre muitos outros.

Em resposta a Mário de Alencar e ao seu projeto de escrever um poema sobre Prometeu, Machado de Assis comentava em carta de 1908 que relera por aqueles dias o Prometeu e o Fedon, concluindo então “veja como ando grego, meu amigo” (MACHADO DE ASSIS, 1997, III, p. 1086).

Ora, segundo o crítico Brito Broca, “essa mania da Grécia (...) era um meio, por vezes inconsciente, de muitos intelectuais brasileiros reagirem contra a increpação da mestiçagem, escamoteando as verdadeiras origens raciais” (BROCA, 1975, p. 105).

Lembremos que, no Brasil da Belle Époque, a mestiçagem era considerada um fator de decadência. O espelho a ser mirado era o do branco europeu, a imagem que então se queria ver era a do embranquecimento da sociedade brasileira. Daí talvez o empenho da grande maioria dos escritores da época em adotar literariamente a condição de grego. Imaginando-se como europeus, defendiam-se contra a suposta decadência da mestiçagem.

Monteiro Lobato em carta de 1908 a Godofredo Rangel, comunicando-lhe que estava a ler Homero, escrevia: “Estive uns dias no Rio. Que contra-Grécia é o Rio! O mulatismo dizem que traz dessoramento do caráter”. E ainda: “Que diferença de mundos! Na Grécia, a beleza; aqui a disformidade. Aquiles lá; Quasímodo aqui”. Concluía: “Como consertar essa gente? Talvez a salvação venha de São Paulo e outras zonas que intensamente se injetam de sangue europeu” (LOBATO citado por BROCA, 1975, p. 107).

Em carta a José Veríssimo, Joaquim Nabuco fazia o seguinte protesto contra o fato de se chamar Machado de Assis de mulato: “A palavra não é literária, é pejorativa (...). Eu pelo menos vi nele o grego” (NABUCO citado por BROCA, 1975, p. 106).

Lembremos ainda que o helenismo representou, dentro do Parnasianismo brasileiro, uma verdadeira torre de marfim onde os escritores podiam se refugiar das “disformidades” da realidade local. Lá do alto, esta Grécia contemplava com olhar superior o Brasil logo embaixo, tão próximo e tão distante.

Ora, um tal distanciamento não acontece em Esaú em Jacó. Realidade local e Grécia se confundem no romance. Pois vejamos.

Consideremos a primeira referência então aos helenos: esta comparece logo nas páginas iniciais, quando, o narrador, a propósito de uma consulta por parte de um de seus personagens ao oráculo de uma popular adivinha, cita outras páginas que também narram uma consulta oracular: as da tragédia de Ésquilo, intitulada Eumênides. Eis a citação machadiana: “Relê Ésquilo, meu amigo, relê as Eumênides, lá verás a Pítia, chamando os que iam a consulta...” (MACHADO DE ASSIS, 1997, I, p. 948).

Notemos que Machado de Assis coloca então, em surpreendente convivência, os dois oráculos: o clássico e o prosaico. Em atitude contrária à dos demais escritores do período, que preferiam o distanciamento da realidade local, Machado, ao citar a tragédia no romance, coloca a tradição helênica com o seu puro colorido sublime para conviver “cá embaixo” com a modernidade brasileira e suas mestiças cores “vulgares”.

De fato, em Esaú e Jacó, o respeitável oráculo da sacerdotisa Pítia de Delfos convive com o suburbano oráculo de uma popular adivinha do Morro do Castelo, sobre a qual o narrador acrescenta o importante detalhe de tratar-se de uma cabocla. Notemos que Machado reencena, nos tempos modernos, o tema clássico da consulta oracular e seleciona justamente uma mestiça - uma cabocla - para no aburguesado palco brasileiro representar, como a adivinha do Morro do Castelo, o clássico papel da grega Pítia de Delfos.

Lembremos que Joaquim Nabuco recusava-se a ver no amigo o mulato para só ver o grego. Pois o Bruxo do Cosme Velho, já nestas páginas iniciais do romance, com a sua “pitonisa” cabocla alcançou conciliar ambas as imagens, a “pejorativa” do mulato e a literária do grego - imagens que para o amigo e muitos outros eram inconciliáveis.

Neste sentido, não seria razoável afirmar que o cosmopolitismo de Machado difere do de Nabuco? Em Machado, convivem influxos externo e interno. Machado é mulato e é grego. A sua “pitonisa” cabocla sugere-se como uma crítica ao isolamento do intelectual local no alto cosmopolita da torre de marfim. Convivem na personagem, a sublimidade da referência literária e a “vulgaridade” da realidade “pejorativa”.

Pois esta convivência de valores, a princípio tão contrastantes, teria produzido no “pensamento grego” do romance um “sentido irônico”, já notado pelo crítico Eugênio Gomes que, a respeito, escreveu:

os reflexos do pensamento grego em Esaú e Jacó adquirem, às vezes, um sentido entre irônico e humorístico (...) será lícito afirmar que o romance envolve uma sátira sutil, mas sátira, à preamar de idéias, imagens e comparações gregas com que a nossa literatura foi inundada no começo deste século? (GOMES in MACHADO DE ASSIS, 1997, III, p. 1100)

Gomes percebe a peculiaridade do helenismo machadiano em relação ao dos demais escritores do período. Machado estaria, na verdade, criticando e satirizando a “mania da Grécia” durante a Belle Époque.

Além do isolamento na torre de marfim, um outro aspecto desta “mania” era o próprio exagero: citações a todo instante. A este respeito comenta Brito Broca: “a Grécia triunfou plenamente em nossas letras (...). Alguns citavam-na a cada passo...”(BROCA, 1975, p. 102).

Ora, mais uma vez o helenismo machadiano será crítico em relação ao dos demais intelectuais do período. Pois vejamos.

Consideremos uma outra referência em Esaú e Jacó à tradição helênica. No capítulo LXI, intitulado “Lendo Xenofonte”, somos informados pelo narrador que o personagem Aires está a ler o consagrado prosador grego e, a princípio, este é o único momento em que temos a presença de Xenofonte no romance. Todavia, sem ser citado a cada passo, Xenofonte é a possível inspiração para um dos enigmas mais instigantes de Esaú e Jacó: que é a sua excêntrica estruturação narrativa.

Lembremos que este romance contém uma Advertência, na forma de um prefácio, onde o autor verdadeiro, Machado de Assis, entrega à autoria a um dos seus personagens, o conselheiro e diplomata Aires e isto por meio do argumento do manuscrito encontrado. Neste prefácio, somos informados que a narrativa, Esaú e Jacó, seria na verdade o último volume dos sete manuscritos do Memorial, deixados por Aires quando da sua morte e encontrados por Machado de Assis que, no papel do editor, tão somente teria decidido quanto a sua publicação.

Ora, o argumento do manuscrito encontrado já era bem conhecido na literatura brasileira da Belle Époque, o que veio a ser então sem precedentes, é o fato da leitura efetiva das páginas seguintes de Esaú e Jacó não confirmar as expectativas motivadas pelo conhecido argumento. Afinal, vemos Machado de Assis entregar a autoria a Aires no prefácio, contudo não vemos Aires assumir essa autoria na narrativa.

De fato, ao chegarmos no capítulo XII de Esaú e Jacó, intitulado “Esse Aires”, temos o narrador, que já sabemos pelo prefácio ser Aires, a introduzir o próprio Aires não na primeira pessoa, como esperávamos, mas na terceira pessoa, comentando então: “Esse Aires que aí aparece” (MACHADO DE ASSIS, 1997, I, p. 964). Para nossa grande surpresa, Aires é apresentado como mais um dos personagens da estória e não como o seu pseudo-autor. Eis que temos então uma excêntrica estruturação narrativa onde o autor Machado de Assis diz ser tão somente o editor de um “eu” que se trata como um “ele”.

Mas como já havia notado a crítica americana Helen Caldwell, a estruturação de Esaú e Jacó não é tão excêntrica assim, outros escritores já a haviam adotado antes e dentre estes, o grego Xenofonte, que nas suas memórias intituladas de Anabasis também se introduz como um personagem, ou seja, não na primeira pessoa, mas na terceira pessoa, comentando então: “There was, you see, a certain fellow in the army, Xenophon by name” (XENOFONTE citado por CALDWELL, 1970, p. 155).

Ora, como já mencionamos, Xenofonte é o escritor que - o narrador Aires nos informa - o personagem Aires está lendo. De fato, esta é a informação que temos no capítulo LXI, intitulado “Lendo Xenofonte”. Estaria Machado de Assis nos dando então uma pista sobre o modelo da sua excentricidade narrativa? Sendo este o caso, o autor teria colocado o seu pseudo-autor Aires se inspirando na excêntrica narração das memórias de um grego para narrar o último volume das suas respectivas memórias.

A própria estruturação narrativa de Esaú e Jacó seria então um helenismo machadiano. E sendo um helenismo implícito e não explícito ao exagero - como o dos outros intelectuais do período - se constituiria como mais um exemplo da crítica do Bruxo do Cosme Velho aos parnasianos. O helenismo machadiano, ao destoar dos demais, motiva-nos a interpretá-lo como um verdadeiro “presente de grego”, de Machado de Assis, à “mania da Grécia” durante à Belle Époque.

Notemos que, se, por um lado, Machado criticou a supervalorização do influxo interno, ou dado local, na sua crítica literária sobre o período romântico (como notou Silviano), por outro lado, em romance publicado no período parnasiano, o escritor veio a criticar, com a mesma veemência (tal como notamos neste trabalho), a supervalorização do influxo externo ou dado cosmopolita.

Os ensaios que Silviano toma como referência para aproximar o cosmopolitismo de Machado do de Nabuco, são justamente aqueles de crítica aos exageros da cor local romântica e deveriam ser compreendidos dentro deste contexto. Tomá-los como exemplo de uma postura mais definida do cosmopolitismo machadiano nos parece questionável. Considerando a postura crítica do escritor em relação aos exageros do helenismo parnasiano, até que ponto seria válido afirmar que o dado cosmopolita sobrepõe-se ao local em Machado?

Talvez possamos afirmar que Machado demonstra, sobretudo, uma diplomática atração do mundo, onde cosmopolitismo e localismo constituem ingredientes que se equilibram, tal como sugere o próprio escritor na seguinte metáfora culinária: “ir buscar a especiaria alheia, mas há de ser para temperá-la com o molho de sua fábrica” (MACHADO DE ASSIS, 1997, II, p.727).

 

NOTAS:

[1] Uma versão deste trabalho foi apresentada no X Encontro Regional da Abralic, realizado na UERJ, Rio de Janeiro, em julho de 2005.

 

REFERÊNCIAS:

BROCA, Brito. A Vida L:iterária no Brasil 1900. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975.

CALDWELL, Helen. Machado de Assis: The Brazilian Master and his Novels. Berkeley, Los Angeles and London: University of California Press, 1970.

MACHADO DE ASSIS, J. M. Obra Completa, 3 vols. Rio de Janeiro: Aguilar, 1997.

SANTIAGO, Silviano. Atração do Mundo. Gragoatá, Niterói, n. 1, p. 31-54,1996.

 

© Teresinha V. Zimbrão da Silva 2005

Espéculo. Revista de estudios literarios. Universidad Complutense de Madrid

El URL de este documento es http://www.ucm.es/info/especulo/numero31/diploma.html